sábado, 23 de novembro de 2013

Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo - 2


Quando os cristãos confessamos que Cristo é Rei, de que reinado estamos falando? A que Reino estamos nos referindo?

Nós realmente acreditamos com todo o coração e confessamos com toda convicção que Jesus Cristo – e só Ele! – é Rei: Rei do universo, Rei da história, Rei da humanidade, Rei da vida de cada pessoa humana, cristã ou não-cristã. Ele é Rei porque é Deus feito homem, é, como diz a Escritura, Aquele “através de Quem e para Quem todas as coisas foram criadas, no céu e na terra... Tudo foi criado através Dele e para Ele... Ele é o Primogênito dentre os mortos” (Cl 1,1518).

No entanto, é necessário compreender a natureza do reinado de Jesus. A Liturgia de hoje coloca como antífona de entrada do Missal romano uma frase do Apocalipse que é surpreendente: “O Cordeiro que foi imolado é digno de receber o poder, a divindade, a sabedoria, a força e a honra. A Ele a glória e poder através dos séculos!” Frase surpreendente, sim! Quem é Aquele que proclamamos Rei? O Cordeiro; e Cordeiro imolado. Cordeiro evoca mansidão, paz, fragilidade...

Nosso Rei não é aquele que faz e acontece, aquele que passa por cima feito trator... Nosso Rei é o Cordeiro que foi esmagado na cruz, Aquele que foi imolado pelo Pecado do mundo. O mundo passou e passa por cima do nosso Rei, refuta Seu Evangelho, desdenha de Sua Palavra, ridiculariza Seus preceitos, calunia Sua Igreja... Esse Rei é Aquele que foi crucificado, que foi derrotado e terminou sozinho, é o homem de dores prenunciado por Isaías. No Evangelho escutamos que zombaram e zombam Dele: “A outros Ele salvou. Salve-Se a Si mesmo, se de fato é o Cristo de Deus, o Escolhido! Tu não és o Cristo? Salva-Te a Ti mesmo e a nós!” (Lc 23,35.39)

Não! Decididamente, Jesus não é Rei nos moldes dos reis da terra. Não podemos imaginar os reis, presidentes e manda-chuvas deste mundo, para depois enquadrar Cristo nesses modelos. O reinado de Cristo somente pode ser compreendido a partir da lógica do próprio Cristo: “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos” (Mc 10,45). Eis o modo que Cristo tem de reinar: servindo, dando vida e entregando a própria vida. Tão diferente dos reis da terra, dos políticos e líderes de ontem de hoje: “Sabeis que aqueles que vemos governar as nações as dominam, e os seus grandes as tiranizam. Entre vos não será assim...” (Mc 10,42s).

Cristo é Rei porque Se fez solidário conosco ao fazer-Se um de nós, é Rei porque tomou nossa vida sobre Seus ombros, é Rei porque passou entre nós servindo, até o maior serviço: entregar-Se totalmente na cruz. É rei porque, agora, no céu, Deus e homem verdadeiro, é Cabeça e Princípio de uma nova criação, de uma nova humanidade, de uma nova história, que se consumará na plenitude final.

A festa de Cristo Rei recorda-nos uma outra: a do Domingo de Ramos, quando, com palmas nas mãos, cantamos o reinado de Cristo, que entrava em Jerusalém num burrico – animal de carga de serviço – para ser coroado de espinhos, morrer e ressuscitar.



Um comentário:

  1. "A Ele a glória e poder através dos séculos!”
    (Também repito eu)

    Graças a Deus Ele não é Rei conforme os moldes desse mundo... e que Deus nos dê olhos espirituais, olhos que enxergam o invisível que é essencial, para ver claramente.
    E depois lábios, tocados com a brasa ardente do anjo que tocou Isaías, para Louvá-lo fielmente, e anunciar este glorioso Reino que não é mesmo cúmplice das trevas, mas feito mesmo da mais Pura Luz.

    Que tudo em nós arda por este Reino, por este Rei.
    A Paz meu caro.
    Num amor sem fim no próprio encantamento maravilhoso da revelação.

    =)

    http://www.youtube.com/watch?v=V-5_RG7xiUU

    ;)

    ResponderExcluir

Caro Irmão, serão aceitos comentários que não sejam ofensivos nem desrespeitosos.