segunda-feira, 25 de novembro de 2013

O essencial do cristianismo - Final

Juliano:
Tenho ainda uma dúvida. Se os sacramentos dão o Espírito de Cristo que é a Plenitude, a Vida, a Eternidade, por que, então, são sete sacramentos?
Eu não sabia que todos os sacramentos dão o Espírito Santo! E, se os sete dão, então não bastaria receber um só, e já se teria o Espírito Santo? Para que receber sete vezes o Espírito Santo?
E olhe que são mais de sete, porque se celebra a Eucaristia muitas vezes, se deve confessar muitas vezes, se pode casar mais de uma vez, já vi gente recebendo a Unção dos Enfermos mais de uma vez! Isto não parece se encaixar no que você acabou de dizer...

Teófilo:
Veja: em cada sacramento recebemos o Espírito Divino; sempre o mesmo Espírito, mas em cada um deles o efeito que o Espírito provoca é diferente! É o mesmo Espírito que tem sete formas – Espírito septiforme: as formas dos sacramentos! Na nossa fé cristã o Espírito é assim: unidade e diversidade, sempre o mesmo provocando efeitos bem diversos! Penso que Jesus instituiu os sete porque “sete” significa plenitude; e os sacramentos permeiam plenamente toda a vida do cristão, levando-o a ser humanidade plena, totalmente cheia da Vida divina!

Juliano:
Compreendi sim! Mas, só para não ficar meio no ar... Que efeitos essa Energia de Cristo ressuscitado, que é o Espírito Santo, provoca em quem recebe os sacramentos?

Teófilo:
De modo bem resumido:
no Batismo, o Espírito é dado na água como Vida nova, Vida ressuscitada, Vida eterna em Cristo;
na Crisma (atenção: “a Crisma” é o sacramento; “o crisma” é o óleo usado no sacramento), o Espírito é dado como Força para edificar a Igreja e testemunhar a fé;
na Eucaristia, o Espírito transfigura e impregna o pão e o vinho, tornando-os Corpo e Sangue do Cristo imolado e ressuscitado. Assim, quem comunga, recebe, no Cristo e com o Cristo, o Espírito de imolação, de oblação amorosa; o mesmo Espírito no qual o Filho Se entregou ao Pai na Sua vida humana até a morte de cruz!
Na Penitência, se recebe o Espírito para a remissão dos pecados;
no Matrimônio, o casal recebe o Espírito de Amor Esponsal, o mesmo com o qual Cristo e a Igreja se amam, de modo que o Espírito, consagrando o amor dos dois, o faz sacramento do amor entre Cristo e a Igreja.
Na Ordem, o Espírito unge o eleito para que ele possa agir em Nome e na Pessoa de Cristo sacerdote, mestre e pastor real do rebanho. É exatamente na força do Espírito que os ministros ordenados podem agir em Nome de Cristo.
Por fim, na Unção dos Enfermos, o Espírito é dado como Força, Sustento e Consolo para que o cristão, unido ao Senhor, possa completar na sua carne os padecimentos de Cristo, possa também ter o perdão de seus pecados, alívio de suas dores e sofrer de modo cristão, participando da paixão do Senhor!
Como você pode ver, o Espírito dado e recebido nos sacramentos impregna a vida do cristão de Vida Eterna, Vida de Deus!
O cristão já entrou na Plenitude, já vive na Plenitude. Mas, essa Vida nova e plena só será manifestada na Glória do Céu! Tanto São Paulo quanto São João dizem isto nas suas epístolas! Os primeiros autores cristãos gostavam de dizer que os cristãos são uma raça diferente porque têm uma Vida diferente, um germe da Eternidade, de um outro Mundo, do Mundo de Deus! Essa Vida nova, essa Salvação, essa Santidade, essa Glória é real e concreta, como são concretos os sacramentos! No entanto, “já somos filhos de Deus, mas o que seremos ainda não se manifestou. Quando Cristo nossa Vida aparecer, seremos semelhantes a Ele, pois o veremos como Ele é!”

Juliano:
Teófilo, não posso dizer que creio! Mas, posso dizer que o cristianismo tem sentido e é uma bela crença, uma estupenda eperança. Compreendi seu miolo, sua essência, sua ideia central!

Teófilo:
Tudo o mais na doutrina cristã decorre disso que acabei de apresentar-lhe. Tudo se encaixa nisso e leva a isso. Tudo o mais!
Gastei um monte de palavras para explicar nossa fé. Agora, o resto é com você e com a Graça do Senhor! O Espírito levou você a sentir a curiosidade, levou-o a perguntar, a procurar entender! É o Espírito Quem haverá de suscitar em você a resposta generosa que se resume em duas palavras: “Eu creio!” Mas isto fica no sacrário do mistério do encontro da sua liberdade com a liberdade gratuita de Deus!

Juliano:
Eu agradeço o tempo que você perdeu comigo! Agradeço por me ter mostrado sua fé de modo tão harmonioso e coerente! Você que crê, reze por mim!

Teófilo:

Rezarei! Você não está longe do Reino dos Céus! Que o Senhor complete a obra que iniciou em você e lhe conceda tanta sede Dele que não tenha paz até que O encontre plenamente neste mundo e no outro!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro Irmão, serão aceitos comentários que não sejam ofensivos nem desrespeitosos.