sábado, 1 de março de 2014

VIII Domingo - Um só Senhor a Quem servir...

Is 49,14-15
Sl 61
1Cor 4,1-5
Mt 6,24-34

Caríssimos em Cristo, já há alguns domingos estamos acompanhando as palavras do Senhor no Sermão da Montanha. São palavras sempre surpreendentes; poéticas, é verdade, mas surpreendentes! No fundo, Cristo deseja nos colocar diante do Seu Pai, de coração aberto; deseja que creiamos de verdade, que vivamos como se Deus realmente existisse! Sim, meus irmãos, não vos assusteis: há muitos cristãos que vivem como se Deus, de fato, não existisse! Por isso mesmo, a dura admoestação de Jesus: “Ninguém pode servir a dois senhores! Não podeis servir a Deus e ao dinheiro!” Eis: a Palavra de Deus deste Oitavo Domingo Comum pode ser resumida nesta advertência do Senhor!
Pensemos um pouco: dinheiro, aqui, nos lábios de Jesus, significa tudo quanto temos na vida: posses, amizades, saúde, amigos, familiares, prestígio, talentos, inteligência, trabalho... Pois bem: há dois modos fundamentais de viver: fazer de Deus o nosso Senhor, o nosso tesouro, o sentido da nossa existência ou, por outro lado, colocar como prioridade as nossas coisas, os nossos interesses! Em outras palavras: podemos viver realmente servindo a Deus, colocando-O em primeiríssimo lugar e ordenando, organizando todo o restante em função Dele ou, ao contrário, podemos viver colocando em primeiro lugar mil interesses nossos, mil paixões, mil apegos, dando a Deus as sobras... Servir a Deus ou ao dinheiro, servir a Deus ou aos mil interesses e preocupações! Atenção, que Jesus nos previne: quem serve a si próprio, a seus interesses, ou seja, ao seu “dinheiro”, odeia a Deus – odiar aqui significa deixar em segundo plano, em segundo lugar! Mas, caríssimos, o nosso Deus é o Deus das primícias (cf. Ex 23,19), do primeiro lugar; é um Deus ciumento (cf. Ex 34,14), que não aceita um coração dividido! Basta recordar o primeiro mandamento: “Ouve, ó Israel, o Senhor nosso Deus, o Senhor é um! Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com todas as tuas forças, com todo o teu entendimento!” (Dt 6,4). Pensemos bem, irmãos! Façamos um sério exame de consciência: A quem sirvo realmente na minha vida? Quem é o meu critério: o Cristo nosso Deus, com Sua palavra, Seu Evangelho ou, ao invés, eu mesmo, com meus interesses, com minhas ideias, com meus critérios movidos por minhas paixões?
É verdade, meus Amados em Cristo, que colocar Deus e não nosso dinheiro em primeiro lugar exige que nos deixemos, obriga-nos a sair de nós mesmos! Deixar-se é um modo de perder-se, de perder a vida, de arriscar! E podemos nos perguntar até que ponto Deus cuida de mim, preocupa-Se comigo... O que nos diz Ele, Irmãos? O que nos promete, Irmãs? Escutemos: “Acaso pode a mulher esquecer-se do filho pequeno, a ponto de não ter pena do fruto de seu ventre? Se ela se esquecer, Eu, porém, não me esquecerei de ti!” Vede: podemos nos abandonar ao Senhor, podemos, serenamente servi-Lo, colocar nosso primeiro interesse, nosso coração nas mãos Dele, pois Ele nos conhece – conhece cada um de nós pelo nome! -, nos ama de verdade, mais que nossa própria mãe. Recordai-vos da palavra do Salmista: “Se meu pai e minha mãe me abandonarem, o Senhor me acolherá!” (26,10). A questão é se realmente cremos neste Deus, se realmente vivemos levando em conta de fato que Ele existe, que é presente na nossa vida, que é fiel! Observai que no Evangelho que escutamos, o nosso Salvador adverte que os pagãos, os que não conhecem a Deus é que vivem colocando tantas coisas – tantos “dinheiros” – acima de Deus e no lugar de Deus. Por que colocam? Porque não conhecem a Deus, nunca experimentaram realmente o Seu amor, o Seu aconchego, a Sua providência... Mas, nós, olhando a cruz, sabemos até onde vai o amor apaixonado de Deus por nós; contemplando o Coração transpassado de Cristo sabemos até onde vai o Seu amor entranhado por nós! Então, por que temos medo de confiar? Porque confiamos desconfiando? Certamente, que no Evangelho Jesus ao nos ensinar a confiar, a não nos preocupar-nos com o dia de amanhã ou com o que comer ou vestir, não nos quer ensinar a malandragem, a imprevidência, a irresponsabilidade... Nada disso! Ele deseja sim, que vivamos a vida de modo responsável, mas colocando no Senhor Deus a nossa confiança, dando-Lhe de verdade o primeiro lugar no nosso coração. Aí sim: a partir de nossa confiança e de nossa real amizade em relação ao Senhor, todo o mais se organiza, todo o mais pode ser ordenado na nossa vida: “Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas!” Isto mesmo: buscai na vossa vida que Deus possa reinar nos vossos corações; buscai a justiça do Reino, isto é, buscai viver na vontade de Deus, e tudo o mais será acréscimo, tudo o mais encontrará seu lugar e terá sua justa medida na vossa vida!

Meus caros, a advertência do Salvador não é brincadeira! Cuidemos de viver Sua Palavra, de levar a sério Sua exortação, porque é por ele que seremos julgados. Na segunda leitura de hoje, o Apóstolo, exatamente porque colocou o Reino de Deus como critério último de sua vida, pôde dizer com admirável liberdade: “Pouco me importa ser julgado por vós; nem eu me julgo a mim mesmo. Quem em julga é o Senhor!” Isto mesmo: é Ele, Jesus crucificado e ressuscitado, o critério do nosso julgamento! Não são os outros, não são as modas do mundo, nem somos nós mesmos o critério da verdade da nossa vida! O critério é Jesus, a vida é Jesus, o caminho é Jesus, a salvação e paz de nosso coração, o sentido da nossa vida – tudo isto é somente Jesus Cristo, nosso Deus! A Ele a glória pelos séculos dos séculos. Amém.


Um comentário:

  1. Texto super edificante ....ameeei parabéns "DEUS EH FIEL"

    ResponderExcluir

Caro Irmão, serão aceitos somente comentários que não sejam ofensivos ou desrespeitosos.
Nem sempre terei como responder ao que me perguntam, pois meu tempo é limitado e somente eu cuido deste Blog.
Seu comentário pode demorar um pouco a ser publicado... É questão de tempo...
Obrigado pela compreensão! Paz no Senhor!