sexta-feira, 7 de março de 2014

Retiro Quaresmal – Procurar o Senhor verdadeiramente

3o. Dia da Quaresma – III dia de penitência


“Assim fala o Senhor: ‘Grita forte, sem cessar, levanta a voz como trombeta e denuncia os crimes  do meu povo! Buscam-Me cada dia e desejam conhecer Meus propósitos, como gente que pratica a justiça e não abandonou a Lei de Deus’” (Is 58,1-2).

Ainda alertas para o início da Quaresma...

O Senhor acusa o Seu povo, acusa duramente para salvá-lo, abrindo-lhe os olhos, a consciência e o coração.
Nestes dias entre as Cinzas e o Primeiro Domingo, deveríamos realmente nos deixar ferir pela consciência de que somos pecadores, de que nem tudo na nossa vida cristã vai bem! Bastaria olhar para o Senhor Jesus Cristo... Diante do Seu amor crucificado, quem pode se considerar justo diante de Deus? Quem pode dizer-se em dia, em ordem com o Senhor?

Mas, vamos ao ponto que gostaria de salientar neste terceiro dia da Quaresma: observe bem o versículo acima, da primeira leitura da Missa de hoje... O Senhor diz que o povo O procura e deseja conhecer os desígnios Seus... E, no entanto, chama esse mesmo povo de criminoso! E por quê? Porque se trata de uma busca de Deus descomprometida, sem real e verdadeiro empenho em colocar-se na obediência da fé, no caminho de converter a vida à vontade do Senhor, aos Seus santos preceitos!

Seria um grave erro pensar numa vivência religiosa reduzida a boas intenções, a sentimentos de amor a Deus, a devoções e orações “gostosas”, sem o  empenho real na conversão de vida! Se a vida do cristão possui uma dimensão propriamente mística, da intimidade saborosa com o Senhor, a própria mística, para ser concreta e verdadeira, exige a ascese, o exercício na prática da correção de nossos vícios, de nossos pedaços ruins, o exercício na prática da virtude e das boas obras.

É parte integrante, indispensável do nosso caminho com o Senhor a disciplina interior, a sincera procura de superar tudo quanto em nós esteja em desacordo com os preceitos do Altíssimo. O próprio Jesus foi claro, unindo o amor a Si e a prática efetiva dos Seus preceitos: “Se alguém Me ama, guardará Minha palavra e Meu Pai o amará” (Jo 14,23). Por mais que nosso tempo deseje adocicar e domesticar o Senhor, criando a ilusão de um deus bonzinho, bem ao gosto do mundo, um deus convertido a nós, do nosso tamanho, o Deus verdadeiro nos repreende e exige de nós conversão a Ele!

Conversão a Ele!
Aprender a sentir como Ele,
Pensar como Ele,
Avaliar como Ele,
Ver como Ele,
Agir como Ele.

Como fazer isto? Como conseguir tal desiderato?
Colocando nossa vida nos caminhos Dele, na vontade Dele, em inteira obediência que nasce da fé amorosa, de modo que o Senhor Se torne o critério, a verdade, a orientação, o alicerce de nossa existência!

Mas, veja só, Irmão, que viver assim é viver em êxodo de si mesmo! Aquele que verdadeiramente leva o Senhor a sério deve viver saindo sempre de si próprio do seu jeito para ir para si mesmo do jeito de Jesus. Vou repetir: é Ele o critério, é Ele a medida, é Ele a verdade do mundo, da vida, da humanidade, da minha vida!

Perguntemo-nos hoje:
Qual o critério dos meus valores e dos meus modos de pensar: Cristo ou o mundo? O Senhor ou eu mesmo?

Minha busca pelo Senhor e Sua santa vontade é concreta ou, ao invés, é um autoengano, pois sou apegado a mim mesmo, aos meus interesses e à minha comodidade de vida e de costumes, mesmo que estes sejam contrários ao Evangelho?

O que eu desejo: converter-me a Cristo ou dobrar Cristo ao meu capricho, à minha medida?

Reze, Irmão, pedindo ao Senhor a graça de ver com os Seus olhos e sentir com o Seu coração para ser verdadeiramente discípulo! Que graça tão grande: ser discípulo de Nosso Senhor Jesus Cristo! Pense nisto!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro Irmão, serão aceitos comentários que não sejam ofensivos nem desrespeitosos.