segunda-feira, 7 de abril de 2014

Retiro Quaresmal – A Vida que vence a Morte (1)


XXXIV Dia da Quaresma – XXIX de penitência
(Jo, 11,1-54)

“1. Havia um doente, Lázaro, de Betânia, povoado de Maria e de sua irmã Marta.
2. Maria era aquela que tinha ungido o Senhor com perfume e que Lhe tinha enxugado os pés com os cabelos. Lázaro, que estava doente, era irmão dela.
3. Então as irmãs mandaram a Jesus um recado que dizia: «Senhor, aquele a quem amas está doente».
4. Ouvindo o recado, Jesus disse: «Essa doença não é para a morte, mas para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por meio dela».
5. Jesus amava Marta, a irmã dela, e Lázaro.
6. Quando ouviu dizer que ele estava doente, ficou ainda dois dias no lugar onde estava”.

Comentando:

Lázaro, Marta e Maria são discípulos de Jesus, não daqueles que O seguiam como itinerantes, mas discípulos sedentários, que, vivendo em suas casas, cuidando de suas vidas e profissões, criam no Senhor como sendo um enviado de Deus e O sustentavam com a ajuda material e a hospedagem quando Ele por ali passava.
É interessante saber isto: desde o início do cristianismo, nem todos os discípulos tiveram o mesmo estado de vida: havia os que nunca deixaram suas casas, os que passavam algum tempo seguindo o Senhor nas caminhadas e outros tempos em casa, os que ficavam com o Senhor quase todo o tempo e, finalmente, o grupo do Doze, escolhido pessoalmente por Jesus, e que se mantinha constantemente com o Senhor e participava de um modo todo especial da Sua vida.

Marta, Maria e Lázaro eram de Betânia, povoado a somente 3 km de Jerusalém, atrás do Monte das Oliveiras. Jesus hospedava-se com frequência neste povoado, sempre que vinha a Jerusalém: assim, pregava na Cidade Santa durante o dia e se refugiava ali à noite: era mais seguro, pois o Senhor bem sabia das fortes inimizades que muitos no Sinédrio alimentavam contra Ele: os saduceus, os sumos sacerdotes, um bom número de escribas ligados aos saduceus – estes eram os perigosos inimigos de Jesus em Jerusalém; são esses que O levarão à morte!

Em todo caso, há no texto do Evangelho, alguns elementos perturbadores:
(1) Lázaro estava doente. As irmãs sabem que Jesus encontrava-Se por perto, certamente no território da Pereia, do outro lado do Jordão. Assim, Jesus ficava fora da Judeia, onde já tinha tantos inimigos e, ao mesmo tempo, estava bem próximo a Jerusalém, pois, como Ele mesmo dissera: “Não convém que um profeta morra fora de Jerusalém” (Lc 13,33). Por isso, as irmãs enviam um recado a Jesus: “Aquele que amas está doente!” Em outras palavras: Jesus, Teu amigo está mal... Vem ajudar-nos, vem curá-lo! Fica conosco neste momento difícil! É tão natural esta atitude das irmãs de Betânia. E, no entanto, Jesus, surpreendentemente, não vai: remancha, espera de propósito! E o Evangelista insiste: “Ora, Jesus amava Marta e sua irmã e Lázaro!”

– Senhor, como Teus caminhos nos são difíceis, como Tua lógica nos desconcerta! Tu nos amas e, no entanto, muita vez parece que não fazes conta de nós, que és tão distante, tão insensível e indiferente à nossa dor!
Mostra-nos Teus caminhos, aquece o nosso coração com a certeza que Tu não és distante nem indiferente, mas um Deus apaixonado, pronto para salvar!

Socorro, Senhor, senão desanimamos!
Socorro, Senhor, senão o verme da desconfiança nos corrói!
Socorro, Senhor, porque Tua lógica nos coloca em crise
E Tuas demoras nos tentam!
Senhor, eu creio! Sustenta minha pobre fé!

Dá-me um coração paciente,
Um coração fiel,
Um coração que espere,
Um coração que não esqueça que
O Teu Nome é Fidelidade,
O Teu Nome é Amor!


(2) A frase de Jesus também é perturbadora: “Essa doença não é para a morte, mas para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por meio dela”. É a mesma palavra que o Senhor diz diante da miserável situação do cego de nascença, no IV Domingo da Quaresma!
Mas, será mesmo que Deus é glorificado às custas das misérias humanas? Temos mesmo que sofrer para que o Senhor venha em nosso socorro e, então, saia por bom e nós, por miseráveis? Que significa tudo isto? Seria o Deus de Israel – Ele e o Seu Enviado Jesus – um sádico? Que tentação de escândalo! Que perguntas tão difíceis e dolorosas: o padecimento do fraco, do pobre, do desvalido, sem socorro nem arrimo! Mais dolorosas ainda, essas perguntas, quando nos tocam de perto, quando a dor é nossa e, pior ainda, daqueles aos quais amamos...
Espere, meu caro Leitor! Espere que a resposta virá – e é surpreendente, de nos deixar boquiabertos...
Mas, uma coisa, desde já, deve ficar clara: Deus nos ultrapassa! Ele é o Santo, Seu saber é sem medida, Sua ciência e Sua lógica, de longe nos deixam às cegas, porque somos estreitos demais! E aqui não há apelo, nem desculpa esfarrapada, nem explicação artificiosa: muitas vezes o agir de Deus nos causa vertigens, porque não conseguimos vislumbrar o fio da meada! Uma coisa é certa: nada é absurdo diante de Deus: nem a cegueira do cego de nascença, nem a doença de Lázaro... Jesus ama Lázaro – e por que permite que adoeça! Lázaro é importante para Jesus – e por que não corre logo para curá-lo? Lógica nossa, lógica do Senhor; perspectiva nossa, perspectiva do Senhor; luz nossa, luz do Senhor!

- Senhor, Teu saber é maravilhoso; me ultrapassa!
É alto demais; não posso atingi-lo!
Para onde ir, longe do Teu Espírito?
Para onde fugir, longe da Tua Presença?
Quem pode fugir de Ti?
Somente escaparia de Ti manso
Para cair nas Tuas mãos irado ou, ao menos, decepcionado com a pouca fé...

Se subo ao mais alto do céu da consolação e da felicidade,
Tu lá estás!
Se caio no abismo mais profundo
Do medo, da derrota, da treva, do pecado, da solidão, do sofrimento
Tu, no silêncio e na treva, estás presente,
E ainda que escondido, pressinto – teimo em pressentir – a Tua Presença!

Meu caminho não Te é desconhecido,
Meus dias não Te são escondidos,
Conheces até o mais íntimo do meu ser
– mais íntimo de mim que eu mesmo!

E, no entanto, quanto Teus projetos me são difíceis,
Quanto Teus caminhos me são impenetráveis!
Como é difícil caminhar contigo,
Ó Deus difícil,
Santo demais,
Grande demais,
Incompreensível demais,
Livre demais,
Indomável demais!

Converte-me a Ti, Senhor,
E eu serei convertido!
Salva-me,
E eu serei salvo!
Pelo Teu Filho Jesus,

Eu To suplico!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro Irmão, serão aceitos comentários que não sejam ofensivos nem desrespeitosos.