segunda-feira, 16 de março de 2015

Retiro quaresmal - terça-feira da IV semana


Hoje, é um Padre do Deserto, daqueles primeiros ascetas cristãos, quem orientará o nosso caminho quaresmal. Trata-se de São Doroteu de Gaza, na Palestina do séc. IV, sempre muito atento em observar e descrever os movimentos interiores do coração humano. Eis suas palavras:


"Pensai num círculo traçado no chão, isto é, numa linha feita com um compasso, a partir de um centro; ao meio do círculo chama-se justamente centro. Aplicai o vosso espírito ao que vos digo.

Imaginai que este círculo é o mundo, que o centro é Deus, e os raios são as diferentes vias ou maneiras de viver dos homens.

Quando os santos, desejando aproximar-se de Deus, se dirigem para o meio do círculo, na medida em que penetram no seu interior, aproximam-se uns dos outros ao mesmo tempo que se aproximam de Deus. Quanto mais se aproximam de Deus, mais se aproximam uns dos outros; e, quanto mais se aproximam uns dos outros, mais se aproximam de Deus.

E compreendeis que o mesmo acontece em sentido inverso, quando as pessoas se afastam de Deus para se retirar para o exterior; é então evidente que, quanto mais se afastam de Deus, mais se afastam uns dos outros, e, quanto mais se afastam uns dos outros, mais se afastam também de Deus.

Tal é a natureza da caridade. Na medida em que estamos no exterior e não amamos a Deus, nessa medida, distanciamo-nos do próximo. Mas, se amamos a Deus, quanto mais nos aproximamos Dele pela caridade, tanto mais comunicamos a caridade ao próximo; e, quanto mais unidos estamos ao próximo, mais unidos estamos a Deus".

Palavras simples, diretas e práticas. Aliás, todos os santos doutores cristãos ensinam isto: a união com o Senhor Deus e a comunhão com os irmãos caminham sempre juntas; são diretamente proporcionais.

Um amor ao próximo simplesmente pelo próximo tem pernas curtas e não vai à fonte do amor nem dela brota, permanecendo sempre um amor de meio de caminho.


Pergunte-se hoje pela qualidade de sua relação com os demais:

Brota da raiz do amor a Deus?

Dá-se no interior do amor a Deus?

É motivada pelo amor de Deus?


Seu amor a Deus impulsiona-o em direção aos irmãos?

O fato de ser amigo de Deus faz de você alguém aberto e benigno, generoso e solícito em relação aos demais?


Pense nestas coisas...


Leia e medite 1Cor 13. É a oração que eu proponho para hoje...

E recorde: esse amor-caridade é o próprio Espírito do Senhor imolado e ressuscitado em nós, pois "o amor de Deus foi derramado nos nossos corações pelo Espírito que nos foi dado" (Rm 5,5).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro Irmão, serão aceitos comentários que não sejam ofensivos nem desrespeitosos.