segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

II Domingo do Advento: Ele vem para nós, os pobres

Is 40,1-5.9-11
Sl 84
2Pd 3,8-14
Mc 1,1-8

O tempo do Advento coloca-nos diante da miséria da humanidade, da pobreza e aperto da Igreja, da nossa própria miséria.
Pobre humanidade: por mais que se julgue autossuficiente, é tão insuficiente, por mais que deseje ser seu próprio deus, não passa de pó que o vento leva!
Pobre Igreja, tão santa pela santidade de Cristo, o Santo de Deus, mas tão envergonhada pelos pecados de seus filhos e até de seus pastores, que deveriam ser exemplo e orgulho do rebanho; tão difamada, tão vilipendiada, tão humilhada nos dias atuais!
Pobres de nós, que vivemos uma vida tão cheia de percalços e angústias, de lutas e lágrimas, de desafios que, às vezes, pararem mais fortes que nós!
Eis a humanidade! Como no passado, ainda hoje precisamos de um Salvador, como Israel que esperou, nós, Igreja de Cristo, suplicamos: Vem, Senhor! Manifesta o Teu poder! Que passe logo este mundo de tanta ambiguidade e provação; que venha a plenitude do Teu Reino, que venha o Teu Dia, que venha logo a plenitude da Tua graça!
É este o horizonte para contemplarmos a Palavra de Deus deste II Domingo do Advento.

No Missal romano, as palavras de entrada da Missa, tiradas do Profeta Isaías, já nos são de tanto consolo: “Povo de Sião – somos nós, meus irmãos, somos nós! – o Senhor vem para salvar as nações! E, na alegria do vosso coração, soará majestosa a Sua voz!” (Is 30,19.30).
Sim! O Senhor vem!
Aquele que nunca nos deixou e vem sempre nas pequenas coisas e ocasiões da vida, Ele mesmo virá, um dia, naquele Dia, no fulgor da Sua Glória: Ele, nossa justiça, Ele, nossa esperança, Ele, nosso Salvador!

Escutemos o Profeta, falando em nome de Deus! Escutemos as palavras que Ele manda dizer à Sua Igreja sofredora e humilhada, tentada pelo desânimo: “Consolai, consolai o Meu povo! Falai ao coração de Jerusalém e dizei em alta voz que a sua servidão acabou!”
O Senhor vem, cheio de mansidão e misericórdia, de bondade e compaixão!

No Natal nós veremos que Deus é amor, veremos do que Ele é capaz por nós: capaz de fazer-Se pequeno, capaz de fazer-Se criança, capaz de fazer-Se pobre entre os pobres do mundo! “Sobe a um alto monte, tu que trazes a boa-nova a Sião, levanta com força a tua voz; dize às cidades de Judá: ‘Eis o vosso Deus! Como um pastor, Ele apascenta o rebanho, reúne com a força dos braços os cordeiros e carrega-os ao colo; Ele mesmo tange as ovelhas que amamentam”.

Caríssimos, não desanimemos, não temamos, não percamos o rumo da nossa vida, não esfriemos na nossa fé e na nossa esperança: tudo caminha para esse encontro com Aquele que vem!
O Senhor não Se esqueceu de nós, não virou as costas para o mundo, não abandonou a Sua Igreja! Recobremos o ânimo, renovemos as nossas forças, colocando no nosso Deus a nossa esperança e a nossa certeza!

Mas, a Vinda do Senhor, vinda salvadora, será também uma Vinda de julgamento: na Sua luz, bem e mal, santidade e pecado, retidão e maldade, fidelidade e infidelidade aparecerão.
Na Sua Vinda, tudo será queimado, purificado no fogo devorador do Seu Espírito Santo, Aquele que arguirá o mundo quanto à justiça, quanto ao julgamento e quanto ao pecado (cf. Jo 16,8-11).

A Palavra de Deus hoje nos adverte severa e insistentemente sobre isso: “Eis o vosso Deus, eis que o Senhor Deus vem com poder, Seu braço tudo domina: eis, com Ele, Sua conquista, eis à Sua frente a vitória! O Dia do Senhor chegará como um ladrão, e então os elementos, devorados pelas chamas, se dissolverão, e a terra será consumida com tudo o que nela se fez. O que nós esperamos são novos céus e nova terra, onde habitará a justiça!”
O Senhor, portanto, julgará tudo: na luz, do Seu Espírito Santo, tudo será colocado às claras; no fogo do Seu Espírito Santo, tudo será purificado, e aquilo que não foi de acordo com o Seu Evangelho, com a Sua Verdade, com a Sua Cruz, será consumido no nada, no pó, no choro e ranger de dentes.

Por isso mesmo, a insistente exortação que a Palavra nos faz hoje à vigilância.
São Pedro, na segunda leitura, recorda-nos que este tempo de nossa vida é tempo da paciência de Deus, tempo de aproveitar para trabalhar para a nossa conversão: “O Senhor está usando de paciência para convosco. Pois não deseja que alguém se perca. Ao contrário, quer que todos venham a converter-se!’

Bispos e padres, convertamo-nos! Mudemos nossa vida, abramos nosso coração!
Não vos iludamos, pensando que podemos nos acostumar com o Senhor: pregamos a Palavra Dele e seremos julgados pela Palavra que pregamos!

Religiosos e religiosas, convertei-vos ou morrereis eternamente no fogo que não acaba! Não podeis fingir, não podeis enganar o Senhor!

Povo todo de Deus: jovens e adultos, idosos e crianças, solteiros e pais e mães de família, convertei-vos, mudai vosso procedimento! Vivei de acordo com o que sois: sois a Igreja santa, sois o Povo santo de Deus, sois a herança de Cristo! Convertei-vos todos, pois o Senhor a todos examinará!

Com a nossa  vida e o nosso procedimento, preparemos no deserto de nossa vida o caminho do Senhor!
Nivelem-se todos os vales de nossas baixezas e pecados, rebaixem-se todos os montes e colinas do nosso orgulho, soberba e prepotência; endireite-se o que é torto no nosso pensamento e no nosso procedimento e alisem-se as asperezas de nosso modo de tratar os irmãos. Então, a Glória do Senhor se manifestará na nossa vida e nós seremos luz para a humanidade em trevas!
Irmãos, não somos da noite, não somos das trevas! Somos filhos da Luz de Cristo, somos filhos do Dia do Senhor!

A figura de João Batista, com toda a sua austeridade e com suas palavras de advertência são um sério convite a que revisemos nosso modo de viver.
Hoje, caríssimos, o mundo é todo paganizado, nosso país está se tornando cada vez mais pagão. Mas, isso não é o mais triste!
O mais triste, o que nos corta o coração, é ver os cristãos vivendo como os pagãos, pensando como os pagãos, falando como os pagãos, agindo como os pagãos, gostando das coisas que agradam os pagãos!
Nós, que vimos a luz; nós, que temos a consolação de Cristo; nós que temos o Seu Espírito; nós, que nos alimentamos com o pão da Sua Palavra e do Seu Corpo e Sangue! Não fugiremos à ira, caríssimos! Não escaparemos do tremendo tribunal de Cristo! João Batista é claro: “Depois de mim virá Alguém mais forte do que eu. Eu nem sou digno de me abaixar para desamarrar Suas sandálias. Eu vos batizei com água, mas Ele vos batizará com o Espírito Santo!”
Não se brinca com Cristo, não se domestica o Evangelho, não se falsifica o Salvador: se João - austero, piedoso e coerente - não se sentia digno de desamarrar Suas sandálias, que será de nós? Ele nos batizará, nos mergulhará no fogo do Seu Espírito... E, então, ai do infiel, ai do que fez pouco caso da Sua Palavra, das Suas exigências, do Seu amor!

Caríssimos, o Senhor está próximo: convertamo-nos! Amém. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro Irmão, serão aceitos comentários que não sejam ofensivos nem desrespeitosos.